O louro é usado desde os tempos antigos. Já foi símbolo de poder: reis e imperadores usavam coroas de louro na Antiguidade. Tradição mantida, na atualidade, nas coroas dos vencedores de competições esportivas. Nas folhas de louro se encontra um azeite essencial composto de cineol e eugenol. Elas têm muitas propriedades que são atribuídas principalmente aos seus óleos essenciais, que curam muitas doenças. O louro é excelente para tratar tonturas, depressão, nervosismo, pânico, falta de vontade, falta de apetite, problemas na bexiga, no pulmão, dor de estômago, parasitose, digestão lenta, estresse, surdez, dor de garganta, como regulador menstrual, doenças cardiovasculares, dores articulares e musculares, doresLeia mais

Nome científico: Schinus molle L. Família: Anacardiáceas Sinonímia popular: Aroeira vermelha, aroeira mansa, corneíba Parte usada: Cascas , folíolos, sementes, frutos, óleo resinos Propriedades terapêuticas: Anti-diarréica, antileucorréica, adstringente, balsâmica, diurética, emenagoga, purgativa, estomáquica, tônica, vulnerária, antiinflamatória, fungicida e bactericida Princípios ativos: Óleo essencial: rico em mono e sesquiterpenos. Taninos, Resinas, Alcalóides, Flavonóides, Saponinas esteroidais, Esteróides, Triterpenos, cis-sabinol, p-cimeno, limoneno, simiarinol, alfa e beta pineno, delta-caroteno, alfa e beta felandeno, terechutona Indicações terapêuticas: Azia, gastrite, febre, cistite, uretrite, diarréia, blenorragia, tosse, bronquite, reumatismo, íngua, dor-de-dente, gota, ciática Origem Sul do Brasil (alguns autores consideram sua origem peruana) Princípios ativos Óleo essencial: rico em mono e sesquiterpenos,Leia mais