Curar enfermidades com o rabanete

Curar enfermidades com o rabanete

Existem diversas qualidades de rabanetes. Ainda que sejam diferentes na forma, tamanho e cor, são igualmente ricos em vitaminas. Já esta vantagem nos incentiva a come-los a miúdo. O poder curativo do rabanete é apreciado especialmente no seu excelente efeito como  meio dissolvente.

O suco de rabanetes combate as substancias venenosas, limpa os órgãos e põe em ordem a “casa”do homem. Seu efeito é tão excelente e poderoso qu combate com  êxito até  a tão temida tosse convulsiva.

Em caso de  tosse, rouquidão, catarro, bronquial, mucosidade do peito, do pulmão, do estomago, e dos intestinos,  não faltará seu efeito dissolvente e curativo.

Como o suco de rabanete é também muito diurético, não nos surpreende que também seja um grande inimigo da  hidropisia,  a qual cura com êxito.

Desde a antiguidade tem-se empregado com êxito o suco de rabanete com um pouco de mel contra as enfermidades e doenças acima citadas. Hoje, todavia, pode ser alcançado o mesmo resultado, apesar desse meio ter sido esquecido. A preparação deste remédios é simples. Pode-se escolher entre o suco cru ou cozido, a saber: depois de haver ralados os rabanetes espreme-se o suco misturando-o com mel, ou cortando-se em fatias e pondo água, cozinhando-os. Depois põe-se mel e deixa-se ferver mais um pouco. Toma-se uma colherada de hora em hora, mas nunca na hora das refeições. Em lugar de mel pode-se empregar também açúcar natural, nunca açúcar branco, pois este é prejudicial por sua preparação química.

Obtém-se mais facilmente o suco misturando-se o rabanete ralado com suco de limão, deixando-o em repouso durante algum tempo e depois espremendo. O suco de rabanetes crus é excelente contra  enfermidades do fel, prisão de ventre, transtorno da urina, reumatismo, gota, etc.

O suco cru de rábanos desempenhava, antigamente, um importante papel na medicina natural.

Aplicando-o contra enfermidades da vesícula biliar conseguem-se grandes êxitos, porque o suco de rabanetes  tem grande efeito provocante sobre a bílis.

Esta propriedade lhes da o poder de expulsar  cálculos biliares, pedrinhas e pedras nefríticas, também concreções que se formam na vesícula pela bílis e mal de pedra.

Para o tratamento deste males se prestam especialmente  os rábanos negros do inverno ou couve-rábanos.

Ralam-se este e espreme-se o suco. Tomando-se de hora em hora  uma colherada do mesmo, conseguir-se ao efeito desejado.

O suco também é um grande preventivo contra estas enfermidades. Ainda hoje em dia existem camponeses europeus que tomam até duas ou três vezes por semana  meia xícara de suco de rábanos  para preservar-se das enfermidades da vesícula biliar.

Este mesmo suco tem um efeito mais apreciado em  prisão de ventre crônica.

Neste caso basta o uso de rábanos e também de rabanetes. Não é necessário espremer o suco dos mesmos. Pode-se come-los crus, sem sal, talvez com um pouco de azeite e limão. Já mencionamos que os rabanetes têm também  um poder diurético.

Por isso, é prudente usá-los constantemente contra reumatismo e gota, e também como remédio preventivo contra as mesmas enfermidades. Usado como suco ou cortado em rodelas, seu poder não se altera. Evite-se  somente o sal em demasia. As rodelas podem ser temperadas com azeite e limão e misturadas com alho e cebolas bem picados, pois estes só aumentam o seu bom efeito.

Coma sempre rabanetes quando a época do ano no-los oferece, pois são uma fonte barata de vitaminas e substâncias minerais. Por conseguinte, seu consumo abundante é de suma importância para o bom restabelecimento do sangue para a fortificação dos nervos e conservação da força vital. Pode-se come-los como salada, sem sal, com azeite e limão, ou junto com outras verduras cruas e ervas silvestres.

Se agregarmos ao que ficou dito que os rabanetes possuem Elevada porcentagem de bases, então compreenderemos  que  o seu suco também é capa de combater a tosse convulsiva e os males de pedra. Em primeiro lugar, é a riqueza em bases que o capacita para combater com êxito todas estas enfermidades causadas pela acumulação e ácidos úricos e resfriados. Já vimos que 95% de todos os males crônicos são causados pela acumulação de substâncias estranhas, como ácidos úricos, para os quais há um vasto terreno curativo com as diversas espécies de rabanetes e também para nós que temos a liberdade de usá-los como meio de cura segundo nosso desejo. Afirma-se que o rábano tem um efeito curativo igual ao do alho na Cólera.

Já os velhos gregos usavam rábanos contra Pleurasmo, hemoptises, tuberculose e asma.

Hoje sabe-se que o suco de rábanos tem também um poder cuativo em Icterícia e fígado inchado.

Exteriormente pode-se aplicar também rábanos ralados sobre tumores e inchações. Que suco de rábanos é desagradável também Dos vermes intestinais é pouco conhecido, porém, é um meio mais seguro para combatê-los.

Ainda que ás refeições de rabanetes nunca se deve adicionar açúcar, faz-se um exceção com o suco usado como remédio, contra resfriados, rouquidão, tosse e especialmente contra a tosse convulsiva. Naturalmente não deve ser empregado o açúcar branco tão prejudicial por seu preparo químico, mas somente o açúcar natural de cana. Ralam-se os rabanetes e mistura-se açúcar na massa; deixa-se repousar por um tempo até que o açúcar haja extraído o suco. Espremendo-se  logo essa massa obtém-se o suco sem precisar cozinhá-la . cada dia deve ser preparado de novo. Outro modo para conseguir o suco sem cozinhá-los  é furar os rabanetes, e enchê-los com açúcar natural para depois se extrair o suco.

Segundo as comprovações de Ragnar Berg, entre os rabanetes é o rabanete negro o mais rico em bases.

“Um costume que está deitando bases a vasta  soma de moléstias e males mais sérios ainda, é o livre uso de drogas venenosas. Quando atacados pela enfermidade, muitos não se dão ao trabalho de investigar a causa do mal. Sua principal ansiedade é verem-se livres da dor e dos desconfortos. Recorrem portanto as panacéias, cujas reais propriedades eles mal conhecem, ou recorrem a um médico para neutralizar os efeitos de seu mau proceder, mas sem nenhuma idéia  de mudar seus nocivos hábitos. Caso não sintam benefícios imediatos, experimentam outro remédio, e depois outro. Assim continua o mal”. – E.G. White.